No importa comprar viagra generico espana lo que suceda comprar cialis generico espana en la historia viagra contrareembolso de la industria cialis contrareembolso lo principal es comprar priligy que ahora comprar kamagra todo es super
De que Paz Falamos

Paz não é só ausência de guerra. Paz é luta por moradia, educação, saúde, cultura, horizontes. Paz, com igualdade de oportunidades para todas e todos, é a base para justiça social e de gênero.

Leia entrevista com Vera Vieira, diretora executiva da Associação Mulheres pela Paz

Como as mulheres contribuem para a paz?

Vera Vieira – É no dia-a-dia que as mulheres tentam construir um mundo pacífico, por meio de ações voltadas para a cidadania transformadora, isto é, tornando-se seres que se modificam para melhorar o entorno em que vivem. Ao cuidar das pessoas que as cercam, na casa, no trabalho, na comunidade, elas exercem a paz cotidiana. Outros exemplos de construção da paz estão na promoção de uma educação sem violência e sem sexismo; na busca de relações de poder mais horizontais, na intervenção comunitária para implantação de creche, escola, hospital, área de lazer.

As mulheres querem paz apenas para as mulheres?

Vera – Não. A busca pela paz, na qual as mulheres estão empenhadas, visa favorecer ambos os sexos. Relações mais harmoniosas entre a mulher e o homem irá concretizar uma sociedade fortemente democrática, em que todas e todos sairão ganhando.

De que forma a Associação Mulheres pela Paz pode contribuir para a justiça social no Brasil?

Vera – No Brasil, os índices de desigualdade e injustiça social são elevadíssimos. Quem está na base da pirâmide social é a mulher, majoritariamente a mulher negra. Em termos de violência doméstica, a cada 15 segundos uma mulher é espancada. Quanto às diferenças salariais, a mulher recebe quase 40% a menos do que o homem, mesmo quando sua escolaridade é maior do que a do colega. Se for negra, recebe menos ainda. Outra estatística preocupante diz respeito ao número de mulheres chefes de família: 30%.  Penso que a Associação Mulheres pela Paz deva continuar seu trabalho de educação para a paz, baseada na cidadania das mulheres e focada na juventude.

O Brasil não está em guerra. Por que falar em movimento pacifista?

Vera – A guerra não ocorre somente em conflitos armados. Sofrimento e morte também estão presentes no dia-a-dia: quando não há creche e escola suficientes; quando hospitais estão superlotados: quando falta luz, água, saneamento básico. Quando há violência física, emocional ou psicológica nas famílias; quando as mulheres não ascendem ao poder etc. Assim sendo, faz todo o sentido que existam movimentos pacifistas.

O que tem a ver o esforço pela paz com a luta pela igualdade de gênero?

Vera – A “guerra entre os sexos” clama por paz há milênios. Ela tem a ver com o sistema que coloca a mulher em posição de subordinação ao homem, provocando tristes conseqüências para a sociedade. Mulheres foram degoladas, sutiãs foram queimados em praça pública para que o tema das relações sociais de gênero ganhasse importância e fosse pautado no mundo. A busca da igualdade e equidade (entendida como a igualdade, respeitando-se as diferenças) entre mulheres e homens nada mais é do que a busca da paz para a humanidade.

Comentários desativados em De que Paz Falamos

Mulheres & Homens

1000 Mulheres pela Paz

©2019 – Associação Mulheres pela Paz – Rua Coração da Europa, nº 1395 – Bela Vista – 01314-020 – São Paulo/SP – Fone (11) 99647-9497