No importa comprar viagra generico espana lo que suceda comprar cialis generico espana en la historia viagra contrareembolso de la industria cialis contrareembolso lo principal es comprar priligy que ahora comprar kamagra todo es super
Paz é a ausência de violência contra a mulher – é segurança humana e justiça (São Paulo, SP)

28 e 29 de abril de 2008
Objetivos: Discutir a aplicação da Resolução 1325 das Nações Unidas em ações práticas. Conectar ações brasileiras com as de outros países, visando construir estratégias para propagar o conceito de paz ampliada da Resolução 1325.

Participantes: Ativistas dos movimentos feminista, negro, lésbico, jovens.

Realização: Associação Mulheres pela Paz

Parcerias: Instituto Patrícia Galvão; Geledés – Instituto da Mulher Negra; Rede Mulher de Educação.

Apoios: Associação Mulheres pela Paz ao Redor do Mundo (sediada na Suíça); EED – Serviço das Igrejas Evangélicas na Alemanha para o Desenvolvimento; Fundação Avina.

 

Resumo:

 

Primeiro dia

• Mesa 1: Clara Charf (presidenta da Associação Mulheres pela Paz e as indicadas ao Nobel da Paz / 2005, Albertina Duarte Takiuti, Maria Amélia de Almeida Teles, Maria José Araújo Oliveira e Sílvia Pimentel fizeram paralelos entre o conceito de paz ampliada – que diz respeito à segurança humana e justiça social – e o cotidiano de seus trabalhos.

• Mesa 2:  Coordenada por Vera Vieira (diretora executiva da Associação Mulheres pela Paz), a mesa teve como tema “Mulheres, direitos humanos, diversidade e paz”. Silvia Pimentel (Cedaw / ONU) discorreu acerca da Resolução 1325 . Amelinha Teles (União de Mulheres Brasileiras) aproximou os conceitos de paz e direitos humanos. Sônia Nascimento (Geledés) trabalho com paz e diversidade.

• Mesa 3: Também com moderação de Vera Vieira a terceira mesa discutiu “A inserção prática do conceito ampliado de paz”. Maria José Oliveira Araújo (especialista em políticas da saúde da mulher) ressaltou o quanto há de violência institucional nas áreas dos direitos sexuais e reprodutivos. Maria José Lopes Souza (Rede Mulher de Educação) pontuou que a paz não se constrói por decreto, trata-se de uma transformação exterior e interior. Chindalena Ferreira Barbosa (Articulação Brasileira de Jovens Feministas) informou que o tema da paz é caro à juventude negra – sempre lutando pela vida. Lurdinha Rodrigues (Liga Brasileira de Lésbicas) concluiu com a idéia de que lutar pela paz é desconstuir as culturas machista e homofóbicas.

 

Segundo dia

• Exercícios de convivência, coordenados por Maria José Lopes de Souza. Todas as participantes expressaram, com síntese, ideias de como cultivar a paz no cotidiano.

• Reflexão coletiva sobre estratégias de pautar o tema da “paz ampliada” nas práticas dos movimentos feminista e de mulheres. Clara Charf lançou o desafio: como conectar o trabalho das brasileiras ao trabalho das mulheres que lutam pela paz ao redor do mundo?

• Ivete Garcia, Inês Meneguelli, Carolina Quesada e demais expositoras lançaram questões para a discussão: como dar visibilidade aos trabalhos, seguir divulgando as ações, propor novos seminários, fomentar a multiplicação do conceito de paz ampliada, capacitar jovens em direitos humanos e paz, levar o tema para organismos nacionais e internacionais.


Mulheres & Homens

1000 Mulheres pela Paz

©2019 – Associação Mulheres pela Paz – Rua Coração da Europa, nº 1395 – Bela Vista – 01314-020 – São Paulo/SP – Fone (11) 99647-9497