No importa comprar viagra generico espana lo que suceda comprar cialis generico espana en la historia viagra contrareembolso de la industria cialis contrareembolso lo principal es comprar priligy que ahora comprar kamagra todo es super
Violência contra as Mulheres no Meio Rural – Diagnósticos, Desafios e Propostas (Brasília, DF)

12 e 13 de novembro de 2007

 

Objetivo: Contribuir para formulação de diagnóstico da violência doméstica no campo e arrolar proposta de enfrentamento.

Participantes: Mulheres líderes do movimento de trabalhadores rurais, do movimento sindical rural, do movimento quilombolas, ativistas feministas, pesquisadoras do tema.

Realização: Associação Mulheres pela Paz; Instituto Patrícia Galvão; CNMTR/CONTAG; Geledés – Instituto da Mulher Negra; Rede Mulher de Educação.

Apoios: Unifem- Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher; SOS Corpo – Instituto Feminista para a Democracia; Rede Lac – Rede de Mulheres Rurais da América Latina e Caribe; MST – Movimento dos Sem Terra; MMTRNE – Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste; CNS – Conselho Nacional dos Seringueiros; MIQCB – Movimento das Quebradeiras de Coco Babaçu; MMC – Movimento de Mulheres do Campo. Grupo Curumim; Seppir – Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial; SPM – Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres.
Resumo:

• Foram apresentadas e debatidas pesquisas feitas com mulheres da zona rural, pontuando-se classe social, escolaridade, violências sofridas (física e sexual).

• Relatou-se para um projeto envolvendo meninas e adolescentes no enfrentamento à violência contra as mulheres.

• Demonstrou-se que a violência contra a mulher, nas regiões ribeirinhas do norte do Brasil, segue “silenciosa” e subnotificada.

• Observou-se que, na zona rural, praticamente inexistem ações do Estado contra a violência de gênero.

• Algumas participantes relataram maus-tratos, sofridos por elas e pelos filhos, perpetrados por homens.

• Grandes distâncias entre casas e povoados, falta acesso a serviços e informações favorecem o acirramento da violência doméstica.

• A ação de Agentes de Saúde pode minimizar a violência dentro do lar

• A educação de jovens é indicada para fortalecer o enfrentamento da violência.

• Formações de relações de gênero são indicadas para “empoderar” as mulheres e tornar a relação entre os sexos mais horizontal.

• Em alguns lugares, provou-se que a criação de espaços democráticos comunitários tem incidência na diminuição da violência contra mulheres e crianças.

• Citou-se a implementação do projeto Plano de Ação de Advocacy dos Direitos Sexuais e Reprodutivos.

•  Todas as participantes concordam que é necessário uma força-tarefa para se computar números referentes às violências domésticas e suas vítimas no meio rural brasileiro.

• É preciso um trabalho forte para “desnaturalizar” a violência contra as mulheres, tida em muitos lugares como “natural”.

• É urgente uma reflexão cultural principalmente sobre as letras de músicas, muito populares, que difamam o gênero feminino. Por exemplo, uma letra que diz que “mulher é galinha safada”.

• O número de Delegacias da Mulher é insuficiente para atender a demanda. Sendo que quando as mulheres procuram a Delegacia comum são, via de regra, humilhadas e suas queixas desqualificadas.

• Ao lado da violência perpetrada pelo parceiro, há a violência no trabalho e a institucional.

• A própria Justiça deveria ser denunciada por sua omissão e inépcia na zona rural.

• Muitos homens zombam da Lei Maria da Penha, apelidando-a de Maria da Peia (no nordeste, chicote “descer a peia”).
Ideias para a Ação:

• Aperfeiçoar e monitores as políticas públicas para que cheguem às mulheres no campo. Atentar para especificidades da dinâmica da vida rural.

• Conscientizar os meios de difusão, entre eles as rádios comunitárias, para não veicularem músicas com letras misóginas e que façam apologia da violência.

• Combater a “espetacularização” de programas, como o Linha Direta, que banalizam as violências e as vítimas

• Cobrar do Estado a implementação de Delegacias da Mulher e de Casas-Abrigo.

• Responsabilizar os autores de violência.

• Difundir a Lei Maria da Penha.

• Lutar contra a educação sexista.

• Capacitar profissionais da saúde, segurança, educação para questões de gênero e relações raciais.

• Incentivar ideias, núcleos, cursos que profissionalizem as mulheres do campo.

 

 

Frases:

 

“Na roça, ninguém ouve o grito de socorro da mulher, ela não tem como buscar ajuda. Não tem transporte, o povoado fica distante 40, 50km. Não tem delegacia da mulher, não tem nada.”

 

“Essa violência a gente vive desde que nasce e dura pela vida. Quando criança, a escola é longe e a menina tem que cuidar da casa e dos irmãos menores, depois de casada o marido não quer que ela saia de casa, dentro do movimento tem o assédio dos companheiros.”

 

“Só com medidas multidisciplinares – vindas dos espaços social, médico, jurídico, econômico, cultural, comunitário- será possível mitigar a violência doméstica da nossa realidade”.


Mulheres & Homens

1000 Mulheres pela Paz

©2019 – Associação Mulheres pela Paz – Rua Coração da Europa, nº 1395 – Bela Vista – 01314-020 – São Paulo/SP – Fone (11) 99647-9497